PARÂMETROS TERAPÊUTICOS DA SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DE ESTUDOS DE CASOS

Sandna Larissa Freitas dos Santos, Hérick Hebert da Silva Alves, Regilane Matos da Silva Prado, Karla Bruna Nogueira Torres Barros

Resumo


Objetivo: verificar por meio de uma revisão sistemática, as estratégias terapêuticas da síndrome de Guillain-Barré realizadas nos estudos de casos, discutindo suas manifestações clinicas, diagnostico e desfechos clínicos obtidos. Fonte de dados: As bases de dados usadas foram: LILACS, SCIELO, MEDLINE e BVS, utilizando as palavras-chaves em português e inglês, selecionadas mediante consulta aos DeCS da Bireme: síndrome de guillain-barré, estudos de casos, terapêutica. Incluíram estudos de casos completos publicados entre 2009 e 2015 em periódicos nacionais e internacionais, sendo composto por 5 estudos de casos. Resultados: A observação, com cuidados intensivos, deve ser iniciada precocemente, e baseia-se em uso de heparina, a fim de evitar o tromboembolismo pulmonar; suporte nutricional para garantir a competência imunológica e o desmame da ventilação mecânica; fisioterapia respiratória para evitar atelectasias e pneumonia; fisioterapia geral para evitar as contraturas corporais e apoio psicológico ao paciente a fim de atingir a recuperação. Devido à frequência de dores neuropáticas decorrentes das lesões de nervos periféricos, foi desenvolvida uma modalidade de tratamento que consiste na utilização de um agente antiepiléptico como a Gabapentina. O tratamento baseado na infusão endovenosa de imunoglobulina tem sido considerado o mais adequado, pois conduz ao alcance de resultados similares aos da plasmaferese, porém, alcança melhor grau funcional em menor espaço de tempo e com menos efeitos adversos e limitações. Conclusão: Mostra-se importante a conduta correta pelo profissional farmacêutico, no diagnóstico precoce da SGB visando o mínimo de sequelas possível ao paciente.


Palavras-chave


síndrome de guillain-barré, estudos de casos, terapêutica.

Texto completo:

PDF

Referências


Aires YRF, et al. Síndrome de Guillain-Barré associada à imunização H1N1. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2014 Jan/Abr;18(1):73-76.

Cakırgöz MY, Esra Duranb, Cem Topuz a, Deniz Karaa, Namigar Turgut a, Ülkü Aygen Türkmena, Bülent Turan¸c c,Mustafa Önder Dolapd e Volkan Hancıe. Síndrome da secre¸cão inapropriada do hormônio antidiurético relacionada à síndrome de Guillain-Barré após colecistectomia videolaparoscópica. Rev Bras Anestesiol. 2014;64(3):195-198.

Davim RMB, et al. Síndrome de Guillain Barré: Revisão de Literatura. v. 80 - Special Edition - ARTICLE II – 2010.

Evans D, Cauchemez S, Hayden FG. “Prepandemic” immunization for novel influenza viruses, “swine flu” vaccine, Guillain-Barré syndrome, and the detection of rare severe adverse events. J. Infect. Dis. 2009;200(3):321-8.

Haber P, Sejvar J, Mikaeloff Y, DeStefano F. Vaccines and Guillain-Barré syndrome. [abstract]. Drug Saf. 2009;32(4):309-23.

Lamônica DAC, Pereira TC, Silva KR, Lopes AC. Relato de caso: síndrome de Guillain-Barré - atraso do desenvolvimento da linguagem. Rev Med (São Paulo). 2009 jul.-dez.;88(3/4):199202.

Mendes KDD, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enferm. 2008.

Neil J, Choumet V, Le Coupanec A, d’Alayer J, Demeret S, Musset, L. Guillain-Barre syndrome: first description of a snake envenomation aetiology. J Neuroimmunol. 2012 Jan; 242(1-2):72-7.

Neto E G C, et al. Guillain-Barré syndrome after a snakebite: case report and literature review. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2014 Set/Dez;18(3):253-257.

Orsini M. Reabilitação nas doenças neuromusculares: abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro- Guanabara Koogan; 2012.

Picon PD, Gadelha MIP, Beltrame A. Síndrome de Guillain Barré: Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 497, de 23 de dezembro de 2009.

Pontes, M. G. A.; Henriques, A. H. B.; Souza, M. I. L. Síndrome de Guillain-Barré em paciente transplantada de medula óssea: relato de caso. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança – Dez. 2013;11(3):32-9.

Souza LS, Comarella L. Comparação da eficácia e segurança da gabapentina no tratamento da dor na Síndrome de Guillain-Barré. Revista Saúde e Desenvolvimento; 2014; jan/jun, 5(3).

Suárez IG, Gallego IS, Rivera FJR, Arpa J. Guillain-Barré Syndrome: Natural history and prognostic factors: a retrospective review of 106 cases. BMC Neurology 2013, 13:95.

Van Doorn P, Ruts L, Jacobs BC. Clinical features, pathogenesis, and treatment of Guillain-Barré syndrome. Lancet Neurol, England. [Internet]. 2011;7(10):939-50.

Yuki N, Hartung HP. Guillain-Barré syndrome. N. Engl. J. Med. 2012;366(24):2294-304.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577

Indexadores: