PRÁTICAS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÅO BÁSICA NAS EQUIPES DE CONSULTÓRIO NA RUA

Elisson Marques Marques, Marco Ninômia Passos

Resumo


Resumo:

Objetivo: Analisar o cenário e atuação do profissional de enfermagem na equipe de consultório na rua, identificar os fatores facilitadores e dificultadores da prática do enfermeiro. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de campo, exploratório, descritiva com abordagem qualitativa por meio da aplicação de questionário a todos os profissionais de enfermagem que tenham ou tiveram contato direto com a população em situação de rua contendo 06 perguntas semiestruturadas. Resultados: verificou-se que os profissionais têm dificuldades no encaminhamento do paciente para especialidades e a falta de estrutura física. Conclusão: Através dos resultados, concluiu-se que os profissionais estão satisfeitos com o que fazem de levar a saúde pública aos usuários que nem mesmo sabem que tem o direito à saúde, mais barram na falta de insumos, material, automóvel para locomoção, esbarram na intersetorialidade onde os profissionais não querem realizar o atendimento aos pacientes encaminhados para a especialidade, também sentem a deficiência de um protocolo a ser seguido para mencionar as atribuições dos profissionais das equipes do consultório na rua.

 

Abstract:

Objective: To identify the facilitating factors and difficulties were in the practice of the nurse, highlighting the care actions carried out in the teams Practice on the Street. Methodology: This is a field research, exploratory-descriptive, qualitative in nature. Were interviewed 3 nurses of the teams in the Office on the Street of the Federal District who have or have had direct contact with the population in situation of street. Results: It was found that the professionals have difficulties in routing the patient to the specialities and the lack of physical structure. Conclusion: The professionals interviewed are satisfied with what they do, carrying out activities inherent to the work process of Basic Attention. Stood out as factors facilitators: consultations and nursing procedures, employing good communication with the purpose of establishing the link to a comprehensive care; factors difficulties were: the lack of a protocol describing the assignment of each professional, supplies, materials, and vehicle for mobility of professionals/patients and, mainly, for the intersectoral actions; the professionals of the Office on the Street facing the preconcept because they are serving the population in a situation of the street, and the professionals of the specialties they deny the service; actions of nursing: pre-christmas, dress wounds, care for the diabetics and the inclusion of these users in the programs of the basic health unit.

figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.8198531


Palavras-chave


Atenção Básica, Consultório na Rua, População em Situação de Rua.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Acesso em 04 de maio de 2016.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7053.htm

Brasil. Criança não é de rua. Pesquisa Nacional sobre População em Situação de rua. Acesso em 04 de maio de 2016. Disponível em: http://www.criancanaoederua.org.br/pdf/Pesquisa%20Nacional%20Sobre%20a%20Popula%C3%A7%C3%A3o%20em%20Situa%C3%A7%C3%A3o%20de%20Rua.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.488, de 21 de outubro de 2011. Acesso em 04 de maio de 2016. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Brasil. Ministério da Saúde. Consultório na rua – Departamento de Atenção Básica. Acesso em 04 de maio de 2016. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_consultorio_rua.php

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de Atenção Básica – Departamento de Atenção Básica. Acesso em 04 de maio de 2016. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 122, de 25 de janeiro de 2011. Acesso em 04 de maio de 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0122_25_01_2012.html

Silva F, Frazão I, Linhares F. Práticas de saúde das equipes dos Consultórios de Rua. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(4):805-814, abr, 2014.

Rosenstock K, Neves M. Papel do enfermeiro da atenção básica de saúde na abordagem ao dependente de drogas em João pessoa, PB, brasil. Rev Bras Enferm, Brasília 2010 jul-ago; jul-ago; 63(4): 581-6.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual sobre o cuidado à saúde junto a população em situação de rua. Brasília/DF; 2012.

Petry M, Burg R, Silva L. Consultório de/na rua, desafio para um cuidado em verso na saúde. Interface comunicação saúde educação, 17 de fevereiro de 2014.

Sales J, Mendonça C, Consultório de rua: Contribuições e desafios de uma prática em construção. Saúde Transform. Soc. vol.3 no.1 Florianopolis jan. 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Procedimentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Primária n. 30)

Brasil. Universidade Federal de São Paulo, Niglio E. A Estratégia Saúde da Família na Atenção Básica do SUS.

Fracolli L, Alvim D. Competência do enfermeiro na atenção básica, em foco a humanização do processo de trabalho. O mundo da saúde, São Paulo, 2012;36(3):427:432.

Witt R. Competências da enfermeira na atenção básica: contribuição à construção das fundações essenciais de saúde Pública [tese]. Ribeirão Preto: EERPUSP; 2005.

Ribeiro C, Castanha A, Coutinho M, Saldanha A. A Aids e suas contradições: Representacoes sociais de seus atendimentos e tratamento pelos profissionais e pacientes. DST-j bras Doencas sex transm 17(2): 127-132, 2005.

Hallais J, Filice N. Consultório na rua: visibilidades, invisibilidades e hipervisibilidade. Cad saude publica, Rio de Janeiro, 31(7):1497-1504, jul 2015.

Queiroz M. População em situação de rua: segurança publica, fraternidade ou justiça social?. Faternidade e ciência, Curitiba, v.1, n.1, p. 78-89, nov.2009.

Silva D, Souza S, Trentini M, Bonetti A, Mattosinho M. Os desafios enfrentados pelos iniciantes na prática de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP vol.44 no.2 São Paulo Jun 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: