AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO COGNITIVA E SUA RELAÇÃO COM A QUALIDADE DE VIDA DA MULHER IDOSA

Elaine Santos da Silva, Cinoélia Leal de Souza, Núbia Rêgo Santos, Jaqueline Pereira Alves, Victor Neves Reis, Simone Aline Ferreira, Vanda Santana Gomes, Roberta Lopes da Silva

Resumo


Objetivo: avaliar a relação do declínio da função cognitiva com a qualidade de vida da mulher idosa. Método: quantitativo, descritivo transversal, realizado com 550 mulheres, em Guanambi-Bahia no ano 2016. Para a avaliação da função cognitiva foi utilizado o Mini-exame do estado Mental, e para a qualidade de vida o World Health Organization Quality of Life, além de um instrumento de diagnóstico situacional. Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva, com posterior caracterização da amostra por meio da análise univariada, utilizando as frequências absolutas, e relativas para as variáveis qualitativas e média e desvio padrão para as variáveis quantitativas. Para análise bivariada, foi utilizado o teste de qui quadrado de Pearson, com o software Stata versão 10. Resultados: a percepção das idosas sobre sua qualidade de vida foi afetada pelo declínio da função cognitiva. Após a análise múltipla, permaneceram associados à capacidade cognitiva: a faixa etária de 80 anos ou mais (OR=2,16; IC=1,38 – 3,41) e a inadequada qualidade de vida. Conclusão: percebe-se que, não apenas o avanço da idade predispõe o declínio da cognição, pois fatores como escolaridade e acesso a melhores condições de vida e saúde estiveram associados a melhor avaliação da função cognitiva e à melhor percepção da qualidade de vida das idosas.

 

figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.8120768


Palavras-chave


Envelhecimento cognitivo; Saúde Mental; Saúde da Mulher; Idosa.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida AV, Mafra SCT, Silva EP, Kanso S. A Feminização da Velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos & Contextos. 2015;14(1):115-131.

Alonso FRB. The elderly women living in single-person households: a regional characterization from the 2010 census. Rev. Kairos Gerontologia. 2015;18(especial):99-122.

Argimon IIL. et al. Gênero e escolaridade: estudo através do miniexame do estado mental (MEEM) em idosos. Aletheia. 2012 maio/dez.;38(39):153-161.

Auyeung Tung Way et al. Physical frailty predicts future cognitive decline - a four-year prospective study in 2737 cognitively normal older adults. The Journal of nutrition, health and aging, Hong Kong. 2011;15(8):690-4.

Azevedo L M. et al. Perdas da capacidade funcional em idosos institucionalizados no município de Natal/RN. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, Natal. 2014;6(2):285-292.

Barata R B. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009. Temas em Saúde collection. 120 p. ISBN 978-85-7541-391-3. Disponível em: SciELO Books . Acesso em: 02 de setembro de 2016.

Beckert M, Irigaray TQ, Trentini CM. Qualidade de vida, cognição e desempenho nas funções executivas de idosos. Estudos de Psicologia. 2012;29(2):155-162.

Bortoli CG, Piovezan MR, Piovesan EJ, Zonta MB. Equilíbrio, quedas e funcionalidade em idosos com alteração da função cognitiva. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2016;18(3):587-597.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012.

Dantas CMHL, Bello FA, Barreto KL, Lima LS. Capacidade funcional de idosos com doenças crônicas residentes em instituições de longa permanência. Rer Bras Enferm. 2013;66(6):914-920.

Duarte EC, Barreto SM. Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(4):529-532.

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatric Res. 1975;12:189-98.

Goes EF, Nascimento ER. Mulheres negras e brancas e os níveis de acesso aos serviços preventivos de saúde: uma análise sobre as desigualdades. Saúde em Debate. Rio de Janeiro. 2013;37(99):571-579.

Hiroyuki U. et al. Factors associated with cognitive decline in older adults with type 2 diabetes mellitus during a 6‐year observation. Geriatrics e gerontology international, 2015:(15)3;302-310.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil. Rio de Janeiro (RJ), 2010. Acesso em: 15 de junho de 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Langlois F, Minh Vu TT, Chassé K, Dupuis G, Kergoat MJ, Bherer L. Cognition and Quality of Life in Frail Older Adults. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2012;68(3): 400-404.

Matos AIP. Efeito de dois programas: intervenção psicomotora e treino cognitivo, na função cognitiva e depressão em idosos [dissertação]. Vila Real - Portugal: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2016.

Melo DM, Barbosa AJG. O uso do Mini-Exame do estado metal em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(12):3865-3876.

Menezes TN, Lopes FJM, Marucci MFN, Estudo domiciliar da população idosa de fortaleza/CE: aspectos metodológicos e características sócio-demograficas. Rev. Bras. Epidemiol. 2007;10(2):168-177.

Paula AFM, Ribeiro LHM, D’elboux MJ, Guarinto ML. Avaliação da capacidade funcional, cognição e sintomatologia depressiva em idosos atendidos em ambulatório de geriatria. Rev Bras Clin Med.2013;11(3):212-218.

The Whoqol Group: The word Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): Position paper from the Health Organization. Soc. Sci. Med, 1995; 41(10):1403-1409.

Trindade APNT, Barbosa MA, Oliveira FB, Borges APO. Repercussão do declínio cognitivo na capacidade funcional em idosos institucionalizados e não institucionalizados. 2013;26(2):281-289.

Vikas Kotagal MD. Et al. Factors associated with cognitive evaluations in the United States. Neurology, 2015;84(1): 64-71.

Zortea B, Gautério-Abreu DP, Santos SSC, Silva BT, Ilha S, Cruz VD. Avaliação cognitiva de pessoas idosas em atendimento ambulatorial. Rev Rene. 2015 jan-fev;16(1):123-31.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: