INDEPENDENTE DA IDADE, MULHERES FREQUENTADORAS DE PARQUE DE LAZER APRESENTAM NÍVEIS DE FLEXIBILIDADE SUPERIORES AOS DE HOMENS

Loumaíra Carvalho da Cruz, Alfredo Anderson Teixeira-Araujo, Flávio de Souza Araújo, Sérgio Rodrigues Moreira

Resumo


Resumo

OBJETIVOS: Comparar, entre diferentes faixas etárias e sexo, a flexibilidade (FLEX) de usuários de parque de lazer com diferentes níveis de atividade física (NAF). METODOLOGIA: A amostra foi composta por 79 indivíduos com idade de 48,3±15,9 anos e índice de massa corporal (IMC) de 25,0±4,2 kg/m2, os quais responderam ao Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). A FLEX foi mensurada pelo teste de sentar-e-alcançar (Banco de Wells). A amostra foi dividida em estratos de ativos (n=55) e inativos (n=24). Além do NAF, os grupos foram divididos pela faixa etária e sexo. Estatística descritiva e o Teste t de Student foram adotados com nível de significância de p<0,05. RESULTADOS: Quando calculada a variação percentual (Δ%) da FLEX entre faixas etárias e sexos, os homens demonstraram com o avançar da idade, redução de 43,9% para os inativos e de 36,1% para os ativos (p>0,05). As mulheres demonstraram com o avançar da idade, redução de 10,1% para as inativas e 13,4% para as ativas (p>0,05). Ao analisar o Δ% da FLEX verificou-se maior redução para os homens em comparação às mulheres inativas (43,9% vs. 10,1%; p=0,03) e ativas (36,1% vs. 13,4%; p=0,02).  Ao comparar a FLEX entre diferentes NAF´s no mesmo sexo e idade não ocorreram diferenças em nenhum dos grupos (p>0,05). CONCLUSÃO: A FLEX foi influenciada pela idade e sexo, mas não pelo NAF em usuários de parque de Lazer. As mulheres, independente da faixa etária, apresentam níveis superiores da FLEX em relação aos apresentados pelos homens.

Palavras-chave: flexibilidade; nível de atividade física; sexo; idade.


Abstract

OBTECTIVE: To compare, between different age groups and sex, flexibility (FLEX) leisure park users with different physical activity levels (PAL). METHODOLOGY: The sample consisted of 79 subjects aged 48.3 ± 15.9 years and body mass index (BMI) of 25.0 ± 4.2 kg.m-1 who completed the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). The FLEX was measured by the sit-and-reach. The sample was divided into groups of active (n = 55) and inactive (n = 24). Besides the PAL, the groups were also divided by age group and sex. Descriptive statistics and Student t test were adopted with a significance level of p < 0.05. RESULTS: When calculated the percentage change (Δ%) of FLEX between age groups and genders, men demonstrated with advancing age, decreased from 43.9% to inactive and 36.1% to active (p> 0.05). Women demonstrated with advancing age, decreased from 10.1% to inactive and 13.4% to active (p> 0.05). By analyzing the Δ% of FLEX there was greater reduction for men compared to inactive women (43.9% vs. 10.1%, p = 0.03) and active (36.1% vs. 13.4 %, p = 0.02). Comparing FLEX between different PAL, the same gender and age there were no differences in either group (p> 0.05). CONCLUSION: The FLEX was influenced by age and sex, but not by the NAF in users leisure park. The women, regardless of age, have higher levels of FLEX compared to those presented by men.

 

figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.9788732


Palavras-chave


Flexibilidade; Nível de atividade física; Sexo; Idade

Texto completo:

PDF

Referências


Achour Júnior, A. Exercícios de Alongamento Anatomia e Fisiologia. São Paulo: Manole; 2002.

Alter MJ. Ciência da Flexibilidade. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Alvarez, BR, Pavan, AL. Alturas e comprimentos. In: Petroski, EL. Antropometria técnicas padronizações. 5ª ed. Várzea Paulista: Fontoura; 2011.

Baquet G, Twisk JW, Kemper HC, Van praagh E, Berthoin S. Longitudinal follow-up of fitness during childhood: interaction with physical activity. Am J Hum Biol. 2006. 18(1): 51-8.

Bim RH, Nardo Jr N. Aptidão física relacionada à saúde de adolescentes estagiários da universidade Estadual de Maringá. Acta Sci Health Sci. 2005; 27(1): 77-85.

Carvalho AC, Paula KC, Azevedo TM, Nóbrega ACL. Relação entre flexibilidade e força muscular em adultos jovens de ambos os sexos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 1998; 4(1).

Cipriani NCS, Meurer ST, Benedetti TRB, Lopes MA. Aptidão funcional de idosas praticantes de atividades físicas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano 2010, 12 (2): 106-111.

Conte M, Goncalves A, Aragon FF, Padovani CR. Influência da massa corporal sobre a aptidão física em adolescentes: estudo a partir de escolares do ensino fundamental e médio de Sorocaba/SP. Rev Bras Med Esporte. 2000; 6(2): 44-49.

Cyrino ES, Oliveira AR, Leite JC, Porto DB, Dias RMR, Segantin AQ. et al. Comportamento da flexibilidade após10 semanas de treinamento com pesos. Rev Bras Med Esporte. 2004; 10(4): 233-7.

Dias DF, Reis ICB, Reis DA, Cyrino ES OD, Carvalho FO, Casonatto J, Loch MR. Comparação da aptidão física relacionada à saúde de adultos de diferentes faixas etárias. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2008; 10(2): 123-128.

Dumith SC, Azevedo MRJ, Rombaldi AJ. Aptidão física relacionada à saúde de alunos do ensino fundamental do município de Rio Grande – RS. Rev Bras Med Esporte. 2008; 14(5).

Gonçalves R, Gurjão ALD, Gobbi S. Efeito de 8 semanas de treinamento de força na flexibilidade de idosos. Rev Bras Cieneantrop Desemp Hum. 2007; 9 (2): 145-153.

Guedes DP, Guedes JERP. Crescimento e Desempenho Motor em Escolares do Município de Londrina – PR. Cad Saúde Públ. 1993; 9 (supl. 1): 58-70.

Lamari NM, Chueire AG, Cordeiro JA. Analysis of joint mobility patterns among preschool children. Med J. 2005; 123(3): 119-123.

Marta CC, Marinho DA, Barbosa TM, Izquierdo M, Marques MC. Physical fitness differences between prepubescent boys and girls. J Strength Cond Res. 2012; 26(7): 1756-66.

Matsudo SM, Araújo TL, Matsudo VKR, Andrade DR, Andrade EL, Oliveira LC. et. al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Atividade Física e Saúde. 2001; 10: 5-18.

Melo FA, Oliveira FMF, Almeida MB. Nível de atividade física não identifica o nível de flexibilidade de adolescentes. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009; 14(1).

Minatto G, Ribeiro RR, Achour Jr A, Santos KD. Idade, maturação sexual, variáveis antropométricas e composição corporal: influências na flexibilidade. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2010, 12 (3): 151-158

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2001.

Pardini R, Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade E, Braggion G, Andrade D, Oliveira L, Figueira Jr, Raso V. Validação do Questionário Internacional de Nível de Atividade Física (IPAQ – versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Rev Bras Cien Mov. 2001; 9(3): 45-51.

Pedrero-Chamizo R, Gómez-Cabello A, Delgado S, Rodríguez-Llarena S, Rodríguez-Marroyo J, Cabanillas E. Physical fitness levels among independent non-institutionalized Spanish elderly: The elderly EXERNET multi-center study. Arch Gerontol Geriatr. 2012.

Petreça DR, Benedetti TR, Silva DAS. Validação do teste de flexibilidade da AAHPERD para idosos brasileiros. Rev Bras Cineantrop Desemp Hum. 2011; 13 (6): 455-460.

Pollock ML, Wilmore JH. Exercícios na saúde e na doença: Avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. 2ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1993.

Rassilan EA, Gerra TC. Evolução da flexibilidade em crianças de 7 a 14 anos de idade de uma escola particular do município de Timóteo-MG. MOVIMENTUM.2006; 1.

Ribeiro CCA, Abad CCC, Barros RV. Nível de flexibilidade obtida pelo teste de sentar e alcançar a partir de estudo realizado na Grande São Paulo. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010; 12(6): 415-421.

Rodriguez Pl, Santonja FM, López MP. Effect of physical education stretching programme on sit-and-reach score in schoolchildren. Sci Sports. 2008; 23 (3): 170-175.

Vale RG, Barreto ACG, Novaes JS, Dantas EHM. Efeitos de treinamento resistido na força máxima, na flexibilidade e na autonomia funcional de mulheres idosas. Revista Brasileira de Cineamtropometria e Desempenho Humano. 2006; 8 (4): 52-58.

Varejão RV, Dantas EHM, Matsudo SM. Comparação dos efeitos do alongamento e do flexionamento, ambos passivos, sobre os níveis de flexibilidade, capacidade funcional e qualidade de vida do idoso. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2007; 15 (2): 87-95.

Wells KF, Dillon EK. The sit and reach: a test of back and leg flexibility. Res Quar Exerc Sport. 1952; 23: 115-118.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: