RELEVÂNCIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS PELO ENFERMEIRO NA PASSAGEM DA SONDA VESICAL DE DEMORA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Leonardo Moreira Rabelo, Krislayne Veras Alexandre, Luzia Sousa Ferreira

Resumo


Resumo

Objetivo: Descrever a importância da adesão da higienização das mãos pelo enfermeiro na prevenção de infecções relacionadas à passagem de sonda vesical de demora, e apontar como as Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) pode agir, instruindo o enfermeiro para a melhor assistência. Fonte de dados: Realizada por meio de revisão da literatura com critério de inclusão de estudos que concordassem com o tema proposto, foram utilizados boletins de saúde, uma portaria e artigos encontrados no PubMed, Lilacs, Scielo, Google Acadêmico e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Buscou-se os que apresentassem a importância da adesão da higienização, e dados recentes à infecção do trato urinário (ITU) associada ao uso da sonda vesical de demora (SVD), em unidades de terapia intensiva (UTI) para adultos, e descartou-se os que não tivessem relação com o assunto proposto. Sendo ao final usadas obras publicadas entre 1998 a 2018.Síntese de dados: Foi evidenciado que os enfermeiros conhecem a técnica correta da higienização, cuja realização minimiza o aparecimento de moléstias. Porém, o resultado é oposto, a adesão e a técnica não são executadas corretamente, com isso a negligência é a principal causa do aparecimento de infecção relacionada à passagem da sonda em unidades intensivas. Conclusão: Concluiu-se que a prática incorreta da higienização das mãos quanto ao procedimento de introdução de sonda vesical de demora favorece a aparição de enfermidades infecciosas no trato urinário; contudo, a principal forma de deter é a correta e simples higienização das mãos.

Palavras-Chaves: higiene das mãos; infecção do trato urinário; risco ocupacional; cuidados na higiene das mãos; sonda vesical de demora.

 

ABSTRACT

Objective: to describe the importance of the adhesion of hand hygiene to the nurse in the prevention of infections related to the passage of the bladder catheter, and to point out how the Hospital Infection Control Commissions (CCIH) can act instructing the nurse to provide better care. Data source: Health bulletins, an ordinance and articles were not published in PubMed, Lilacs, Scielo, Google Academic and Virtual Health Library (VHL), through a review of the literature with the inclusion criteria of studies that agree with the proposed theme. A new dose of hygiene and reintroduction of urinary tract infection (UTI) to the use of the vesical delay catheter (SVD) in intensive care units (ICU) for adults and discarded patients was used. relation to the proposed theme. Being in the final for the work, between 1998 and 2018. Data synthesis: it was evidenced that the nurses know the correct hygiene technique, whose realization minimizes the appearance of diseases. However, the result is the opposite, the adhesion and the technique are not executed correctly, with this negligence is the main cause of the appearance of infection related to the passage of the probe in intensive units.Conclusion: it is concluded that the incorrect practice of hand hygiene in the procedure of introducing a bladder catheter for delay favors the appearance of infectious diseases in the urinary tract, however, the main way to deter is the correct and simple hand hygiene.

Keywords: hand hygiene; urinary tract infection; occupational risk; hand hygiene care; delayed bladder catheter.

 

figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.8285441


Palavras-chave


higiene das mãos; infecção do trato urinário; risco ocupacional; cuidados na higiene das mãos; sonda vesical de demora

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde.Portaria nº 2616, de 12 de maio de 1998.[site da Internet]. O Ministro do Estado da Saúde interino, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, inciso II da Constituição, e considerando as determinações da Lei nº 9431 de 6 de janeiro de 1997, que dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção pelos hospitais do país, de Programa de Controle de Infecções Hospitalares. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 1998.http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_1998.html. Acesso: 10/08/2018.

Almeida RM, Santos TC, Palasson RR, Cabral MC, Liberto MIM. Higienização das mãos: questão de educação, saúde e cidadania. Rev. Baiana de Saúde Pública. 2016 jan-mar; 40(1): 206-15.http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-859631. Acesso em: 10/08/2018.

Brasil. Medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde. [site da Internet]..2017..http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3507912/Caderno+4++Medidas+de+Preven%C3%A7%C3%A3o+de+Infec%C3%A7%C3%A3o+Relacionada+%C3%A0+Assist%C3%AAncia+%C3%A0+Sa%C3%BAde/a3f23dfb-2c54-4e64-881c-fccf9220c373. Acesso: 24/08/2018.

Paz AA, Souza AC, Rabin EG, Souza EM, Viegas K, Camatta MW, et al. Manual de procedimentos básicos de enfermagem. [site da Internet]. 2016. https://www.ufcspa.edu.br/editora/download.php?cod=002&tipo=pdf. Acesso: 28/08/2018.

Prate DB, Vieira MFM, Leite TS, Braulio RGMC, Silva EU. Assessingtheimpactof a multidisciplinaryprogramtoreduceincidencedensitiesofcareassociatedinfection in theintensivecareunitsoftertiary hospital in Belo Horizonte. Rev. méd. Minas Gerais. 2014; 24: 66-71.http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=749296&indexSearch=ID. Acesso: 12/08/2018.

Merces MC, Carvalho MAM, Araújo PRS, Queiroz AB, Silva BSM, Sousa MNM, et al. A prática do (a) enfermeiro (a) na inserção do cateter de Folley em pacientes de unidade de terapia intensiva: limites e possibilidades. Rev. Epidemiol. Control, Infect. 2013 abr 07; 3(2): 55-61.https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia/article/view/3157/2785. Acesso: 12/08/2018.

Ercole, FF, Melo, LS, Alcoforado, CLGC. Integrative review versus systematic review. Reme. 2014 jan/mar; 18(1): 9-11.http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904. Acesso: 26/11/2018.

Derhun FM, Souza VS, Costa MAR, Inoue KC, Matsuda LM. Conhecimento de profissionais de enfermagem sobre higienização das mãos. Cogitareenferm. 2016 jul-set; 21(3): 1-8.https://www.researchgate.net/publication/309368909_CONHECIMENTO_DE_PROFISSIONAIS_DE_ENFERMAGEM_SOBRE_HIGIENIZACAO_DAS_MAOS. Acesso: 10/08/2018.

Félix TGS, Silva CRDV, Meira MLM, Negreiros RV, Mendes JMS, Véras GCB. Percepção dos enfermeiros assistenciais sobre a comissão de controle de infecção hospitalar. Enferm. foco.2017; 8(3): 56-60.http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1115/400. Acesso: 12/08/2018.

Magalhães SR, Melo EM, Lopes VP, Carvalho ZMF, Barbosa IV, Studart RMB. Evidências para a prevenção de infecção no cateterismo vesical: revisão integrativa. Rev. de Enferm. UfpeOnLine. 2014 abr; 8(4): 1057-63.https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9778/9921. Acesso: 12/08/2018.

Carvalho VM, Moura MEB, Batista OMA, Cruz MP, Sousa MAS, Andrade DFR. Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre fatores de risco relacionados à infecção de sítio cirúrgico. Rev. interdisciplin. 2015 jul-set; 8(3):1-11.https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/596. Acesso: 10/08/2018.

Chaves NMO, Moraes CLK. Controle de infecção em cateterismo vesical de demora em unidade de terapia intensiva. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2015 maio-ago; 5(2): 1650-57.http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/773. Acesso: 12/08/2018.

Silva KO, Menezes LJA, Almeida MAO, Almeida NAB, Araújo CC. Vigilância sanitária e o papel da enfermagem nas ações de controle de infecções hospitalares. Mostra Interdisciplinar do Curso de Enfermagem. 2016 dez; 2(2).http://201.20.115.105/home/handle/123456789/608. Acesso: 10/08/2018.

Oliveira JB, Francalino TR, Silva MLF, Júnior ACA, Lima LR. Atuação do enfermeiro no controle de infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva (UTI). Mostra Interdisciplinar do Curso de Enfermagem. 2016 dez; 2(2).http://201.20.115.105/home/handle/123456789/584. Acesso: 10/08/2018.

Cardoso SAC, Maia LFS. Cateterismo vesical de demora na UTI adulto: o papel do enfermeiro na prevenção de infecção do trato urinário. Recien. 2014; 4(12): 5-14.https://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/76. Acesso: 12/08/2018.

Brasil. (2017). Boletim segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde nº 16: avaliação dos indicadores nacionais das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) e resistência microbiana do ano de 2016. [site da Internet].2017.Acesso: 09/09/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577

Qualis: C


Indexadores: