ÍNDICE DE REAÇÃO TRANSFUSIONAL EM PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSFUSÃO EM UM HEMOCENTRO DO NORTE DE MINAS GERAIS

EMILY DUARTE MACEDO, VANESSA MARIA JESUS SILVEIRA, LETICIA ANTUNES ATHAYDE

Resumo


RESUMO:

Diante do complexo quadro que envolve a prática transfusional, aliado ao fato de que a prevalência/incidência real dos incidentes transfusionais não é totalmente conhecida, o presente estudo propôs analisar o índice de reação transfusional em pacientes submetidos à transfusão sanguínea no ambulatório do Hemocentro Regional da cidade de Montes Claros – MG no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2013. Trata-se de um estudo transversal no qual a população de estudo foi composta por pacientes atendidos no ambulatório do Hemocentro. Os dados foram coletados através das fichas de notificação de incidentes transfusionais (FIT´s) oriundas de transfusões realizadas. Das 5.179 transfusões realizadas no período estudado, 72 desencadearam reação transfusional, constituindo uma prevalência de (1,39%). Dentre os incidentes ocorridos, houve prevalência de reação alérgica leve (54,1%) e reação febril não hemolítica (34,7%). Entre os hemocomponentes transfundidos o concentrado de hemácias foi relatado em maior número de incidentes se comparado ao concentrado de plaquetas. Verificou-se ainda que a maioria dos receptores que apresentaram incidente transfusional era paciente politransfundido. A incidência de notificações de incidentes transfusionais imediatos ocorridos no período foi de 1,39%, sendo considerada relativamente baixa. Os dados coletados nessa pesquisa são de extrema importância para que medidas preventivas sejam tomadas para prevenir que novos incidentes venham a ocorrer em transfusões futuras. Espera-se que este estudo contribua para aprimorar o serviço hemoterápico, com ações corretivas que visam à segurança transfusional nas instituições de saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Guia para o uso de Hemocomponentes. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2008.

Souza CA. A deficiência de ferro e proteção de doadores de sangue. São Paulo Med. J. 2001; 119 (4): 131-131.

Ministério da Saúde (Brasil). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual Técnico para Investigação da Transmissão de Doenças Pelo Sangue Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2004.

Albaine N, Longo E, Gonzalez CA. Efectos Adversos inmunes de la transfusión. Segunda parte: Reacciones transfusionales inmunológicas no hemolíticas. Rev Arg de Trans. Buenos Aires, 2004, 3 (1): 45-60.

Ministério da Saúde (Brasil). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Hemovigilância: Manual técnico para investigação das reações transfusionais imediatas e tardias não infecciosas. Brasília (DF): ANVISA; 2007.

Neto ALS, Maria HB. Incidentes transfusionais imediatos: Revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enferm. 2012; 25 (1): 146-150.

Saraiva JL. Reações Transfusionais [tese]. Novo Hamburgo: Centro Universitário Feevale. Curso de pós-graduação em análises clínicas e toxicológicas, 2009.

Callera F, Silva AC, Moura AF, Melo DB, Melo CM. Descrições de reações transfusionais agudas em um serviço de hemoterapia brasileira. Rev Bras Hemato Hemoter. 2004; 26 (2): 78-83.

Silva MA. Prevalência e etiologia da anemia e da deficiência de ferro em candidatos e em doadores de sangue do Hemocentro regional de Uberaba [tese]. Uberaba: Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Curso de Pós-graduação em Patologia. Departamento de Patologia Clínica, 2007.

Zago M, Passeto R, Pasquine R. Hematologia: Fundamentos e Prática. São Paulo: Atheneu, 2004.

Passos LNM, Yurtserver MSV, Silva UG, Cordeiro GWO, Machado LF, Vasques F, et al. Sideropenia sem anemia em doadores de sangue do Hemocentro do Amazonas. Hemoam Rev Bras Hematol Hemoter. 2005; 27 (1): 48-52.

Belém LF, Nogueira RG, Leite TR, Costa LC, Alves LF, Carneiro IS. Descrição de Reações Transfusionais Imediatas na Fundação Assistencial da Paraíba, Brasil. Ver B. S. Publica Miolo. 2010; 34 (4): 810-817.

Neto ALS, Barbosa MH. Incidentes transfusionais imediatos: revisão integrativa da literatura. Acta paul. enferm. 2012; 25 (1): 146-150.

Costa FV. Estudo dos incidentes transfusionais imediatos ocorridos no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2006:69f.

Climent PC, Vélez RR. Immediate transfusion reaction. P R Health Sci. 2001; 20 (3): 229-35.

Silva BHM, Bencomo HA, Ballester SJM. Desarrollo de un sistema de hemovigilancia en el Hospital Iluminado Rodríguez, del Municipio Jagüey Grande, Matanzas. Rev Cubana Hematol Inmunol Hemoter. 2006; 22 (3).

Rivera Ramos O, Aparicio Suares JL, Carrillo Reyes L, Hernández Pedraza FM. Reacciones adversas asociadas a la transfusi¢n de componentes sangu¡neos. Rev Argent Transfus. 2003; 29(1/2):75-9.

Michlig C, Vu HD, Wasserfallen JB, Spahn DR, Schneider P, Tissot JD. Three years of haemovigilance in a general university. Transfus Med. 2003; 13 (2):63-72.

Martinez M, Fallas AV, Contreras P, Fonseca J. Reacciones transfusionales en el Hospital Nacional de Niños, entre abril de 1992 y abril de 1993. Ver Méd Hosp Nac Niños Dr Carlos Saenz Herrera. 1997; 32 (1-2): 17-25.

Cardona EF. Reacciones transfusionales mediadas inmunológicamente.

IATREIA. 2001; 14 (1): 86-92.

Morais BS, Sanches MD, Ribeiro DD, Lima AS, Ferrari TCA, Duarte MMF, Cançado GHGM. Associação entre uso de hemocomponentes e mortalidade em cinco anos após transplante hepático. Rev. Bras. Anestesiol. 2011; 61 (3): 289-292.

Durães ATG, Pereira LB, Ponciano MM, Versiani CC. A incidência de reações transfusionais imediatas em pacientes receptores em um hospital universitário. Revista Digital. Buenos Aires. 2013; 17 (176).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: