TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE E O OLHAR DOS PROFESSORES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CARLA PIRES NOGUEIRA, MIRNA ROSSI BARBOSA, LUIZA AUGUSTA ROSA ROSSI BARBOSA

Resumo


Resumo

O Transtorno do Déficit de Atenção com hiperatividade (TDAH) é um dos transtornos que mais acometem crianças e adolescentes. A escola é um ambiente importante tanto para suspeição do transtorno quanto para oferecimento de suporte durante o tratamento. A suspeição precoce é importante, pois quando reconhecido tardiamente pode resultar em intensificação dos sintomas e fracasso social e educacional. Este artigo propôs por meio de uma revisão integrativa identificar na literatura científica estudos que relacionem o TDAH e os professores, em relação ao conhecimento e modos de lidar. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura utilizando artigos disponíveis na Bireme (Lilacs e Scientific Eletronic Library Online- SciELO), e ainda artigos disponíveis no Google Acadêmico. Foram utilizados artigos publicados nos anos de 2007 a 2011 escritos em português e disponíveis para leitura. Os artigos foram analisados qualitativamente permitindo a agrupação em eixos temáticos: conhecimento e conduta, preconceito a respeito do transtorno, formação acadêmica e educação continuada. Foram selecionados quatorze artigos que apontaram que uma parcela considerável de docentes não conhecem o transtorno estando dessa forma despreparados pra lidar com os alunos. Entre os determinantes desse despreparo estão a deficiência nos cursos de formação e de educação continuada para professores.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Assumpção, P. M.; et al. (2011). Desnaturalizando o TDAH: o professor como sujeito essencial no processo de aprendizagem da atenção voluntária. X CONPE (Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional), 14p.

Barkley, R. A. (2002). Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade – TDAH – Guia completo para pais, professores e profissionais da saúde. Porto Alegre: Artes Médicas.

Brzozowski, F. S., Caponi, S.(2009). Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade: classificação e classificados. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 19 [ 4 ]: 1165-1187, 2009.

Carreiro, L. R. R. et al. (2010). Sinais de desatenção e hiperatividade na escola: análise dos relatos dos professores sobre suas expectativas e modos de lidar.Cadernos de Pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. São Paulo, v.10, n.1, p.49-58.*

Cataldo Neto, A; Gauer, G.; Furtado, N. R. (2003 Psiquiatria para. Estudantes de Medicina. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 489.

Costa, A. A. S., Rodrigues, E. M. (2011). O Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade (TDAH) e suas implicações na aprendizagem. Revista Brasileira de Informações Científicas. v. 2 / n.1.*

Fonseca, T. F. G.; Rodrigues, I. F.; Borges, S. C. G. Manhã de leitura afetuosa: um programa biblioterápico com crianças com perfil do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em escola municipal de Formiga-MG. Conexão ci.: r. cient. UNIFOR-MG, Formiga, v. 7, n. 2, p. 74-87.

Freitas, J. S.; Figueiredo, K. C.; Bomfim, N. R.; Mendonça, T. F. R. (2010). TDAH: Nível de Conhecimento e Intervenção em Escolas do Município de Floresta Azul, Bahia. Gerais : Revista Interinstitucional de Psicologia. v. 3, p. 175.*

Garcia, T.M.F.B. (2011). Pesquisa em educação: confluências entre Didática, História e Antropologia. Educ. rev. no.42 Curitiba.

Gerolin, B.C.R; Diniz, M.S. Desenvolvimento e hiperativismo: a discussão dessa relação com a educação. FAZU em Revista, Uberaba, n. 5, p.132-139, 2008.*

Gomes, Marcelo et al.(2007). Conhecimento sobre o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade no Brasil. J. bras. psiquiatr. [online], vol.56, n.2, pp. 94-101. *

Guardiola, A. (2006). Transtorno de atenção: Aspectos neurobiológicos. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler, & R. S. Riesgo (Eds.), Transtornos de aprendizagem: Abordagem neurobiológica.

Havey, J. M., Olson, J. M., McCormick, C., & Cates, G. L. (2005). Teachers’ perceptions of the incidence and management of attention-deficit hyperactivity disorder. Applied Neuropsycholgy, 12(2), 120-127.

Herculano, R. D.; Norberto, A. M. Q. (2012). Análise da produtividade científica dos docentes da Universidade Estadual Paulista, campus de Marília/SP. Perspect. ciênc. inf. [online]. Vol.17, n.2, pp. 57-70.

Knipp DK. (2006). Teens’ perceptions about attention deficit/hyperactivity disorder and medications. J Sch Nurs, 22:120-5.

Jou, G. I. et al. (2010). Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: um olhar no ensino fundamental. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 23, n. 1.*

Landskron, L. M. F; Sperb, T. M. (2008). Narrativas de professoras sobre o TDAH: um estudo de caso coletivo. Psicol. Esc. Educ. (Impr.). Campinas, v. 12, n. 1.*

Low, A. M. A. (2006). Diagnóstico neurofisiológico no tratamento da atenção. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler, & R. S. Riesgo (Eds.), Transtornos de aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar (pp. 329-346). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Luft, S. (2009). Representações sociais e hiperatividade: resultados de uma pesquisa com professoras. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Caxias do Sul.*

Manhani, C.R; Mazzei, D. G.; Silva, R. B. (2009). Sobre a ação docente: refletindo a formação de professores a partir da análise da hiperatividade. Psicopedagogia online.*

MANUZZA, S.; Klein, R. G.; & Moulton, J. L., III. (2002). Young adult outcome of children with “situational” hyperactivity: a prospective, controlled follow-up study. Journal of Abnormal Child Psychology, 30, 191-198.

MATTOS, P. (2005). No Mundo da Lua: perguntas e respostas sobre transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. 4 ed. – São Paulo: Lemos Editorial.

MELO, A. C. C.; OLIVEIRA, W. D. (2011). Aluno com TDAH na sala de aula: o que os professores dizem a respeito? Revista Eletrônica Instituto Consciência GO. v.1 n.1.*

MICARONI, N. I. R; CRENITTE, P. A. P.; CIASCA, S. M. (2010). A prática docente frente à desatenção dos alunos no Ensino Fundamental. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 12, n. 5.*

MINAYO, M. C. S. (1994). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 14 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

MINAYO, M.C. (Org.) (2007). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

POWERS, T. J., ANDREWS, T. J., EIRALDI, R. B., DOHERTY, B. J., IKEDA, M. J., DUPAUL, G. J. et. al. (1998). Evaluating attention deficit hyperactivity disorder using multiple informants: the incremental utility of combining teacher with parent reports. Psychological Assessment, 3, 250-260.

REIS, M. G. F. ; CAMARGO, D. M. P. (2008). Práticas escolares e desempenho acadêmico de alunos com TDAH. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, v. 12, n. 1.*

REIS, M.G.F. (2006). A teia se significados das práticas escolares: transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) e formação de professores.- Campinas: PUC –Campinas, 246p.

ROHDE LA, HALPERN R. (2004). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. J Pediatr, 80(2 suppl):S61-70.

ROTTA, N. T. (2006). Transtornos de atenção: Aspectos clínicos. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler, & R. S. Riesgo (Eds.), Transtornos de aprendizagem: Abordagem neurobiológica e multidisciplinar (pp. 301-313). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. e multidisciplinar (pp. 285-289). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

SANTOS, D.T. (2007). A formação do professor de educação física para o trato com alunos portadores do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Revista Digital - Buenos Aires - Ano 12 - N° 114.*

SENO, M. P. (2010). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): o que os educadores sabem?. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 27, n. 84.*

SIMONSEN, B. M., & BULLIS, M. D. (2007). The effectiveness of using a multiple gating approach to discriminate among ADHD subtypes. Journal of Emotional and Behavioral Disorders, 15, 223-236.

TIMINI, S. (2002). Pathological child psychiatry and the medicalization of childhood. New York: Brunner-Routledge, 190 p.

VASCONCELOS-RAPOSO, J. (2010) Um papel para a revista científica no desenvolvimento da excelência académica. Motricidade, 6(2), 1-3 [editorial].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: