PERFIL ANTROPOMÉTRICO E BIOQUÍMICO RELACIONADO À SÍNDROME DA FRAGILIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Pâmela dos Santos Teixeira, Geiane Alves Santos, Vinicius Albuquerque Cunha, Victor Mota Baião, Hugo Luca Corrêa, Jéssica Luana Sousa Costa, Heitor Siqueira Ribeiro, Marcelo Silveira Alcantara, Aparecido Pimentel Ferreira

Resumo


Resumo

Objetivo: traçar o perfil antropométrico e bioquímico relacionado à Síndrome da Fragilidade (SF) em idosos institucionalizados. Materiais e métodos: a amostra foi constituída por 36 idosos de ambos os sexos (23 Masculino e 13 Feminino) com média de idade de 76,3 ± 7,8 anos, residentes em Instituições de Longa Permanência. Foram coletados dados referentes às medidas antropométricas, funcionais, perfil bioquímico e, posteriormente, identificada a SF. Os dados foram apresentados em média, desvio padrão e frequência relativa. Para comparar as variáveis de acordo com o sexo e SF, adotou-se o teste T independente e qui-quadrado, com um nível de significância de 95%. Resultados: os participantes do gênero masculino apresentaram valores mais elevados em estatura, circunferência do pescoço e força de preensão palmar. Entre os idosos de perfil pré-frágil e frágil, as variáveis antropométricas e bioquímicas foram semelhantes. Conclusão: não houve diferença nas variáveis bioquímicas e antropométricas entre os idosos classificados como pré-frágeis e frágeis.

Palavras-chave: síndrome da fragilidade; idosos; perfil antropométrico.

 

Abstract

Objective: trace the anthropometric and laboratory parameters related to the Frailty Syndrome (FS) in institutionalized elderly.. Materials and methods: The sample consisted of 36 elderly men and women (23 male and 13 female) with a mean age of 76.3 ± 7.8 years, living in long-term care institutions. Data were collected regarding anthropometric measurements, biochemical profile and additionally identified frailty syndrome. Data were presented as mean, standard deviation and percentage frequency. To compare the variables according to gender, to test the comparisons between the proportions and to correlate the variables, were used the independent t-test, chi-square and pearson linear correlation respectively, with a significance level of p <0.05. Results: Male participants had higher values in height, neck circumference and handgrip strength. Among the elderly with a pre-frail and frail profile, anthropometric and biochemical variables were similar. Conclusion: There was no difference in biochemical and anthropometric variables between the elderly classified as pre-fragile and fragile. In addition to the absence of elderly classified as non-fragile in the long-term care institutions of the present study

Keywords: frailty syndrome; elderly; anthropometric profile.

 

Figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.11874063


Palavras-chave


síndrome da fragilidade; idoso; perfil antropométrico. frailty syndrome; elderly; anthropometric profile.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferreira LS, Pinho MSP, Pereira MWM, Ferreira AP. Perfil cognitivo de idosos residentes em Instituições de Longa Permanência de Brasília-DF. Revista Brasileira de Enfermagem. Março/Abril 2014, Vol. 67, No 2, 247-251.

Fried LP, Walston J. Frailty and failure to thrive. In: Hazzard WR, blass J, Halter JB, et al. Principles of geriatric medicine and gerontology. 5th ed. Nova York: MacGraw-Hill, 2003, 1487-1502.

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. 1. ed. Brasília, DF, 2007. 50 p.

Fried LP, Tangen CM, Walston J, et al. Frailty in Older Adults: Evidence for a Phenotype. Journal of Gerontology: MEDICAL SCIENCES. March 2001, Vol. 56A, No 3, M146-M156.

Topinková E. Aging, Disability and Frailty . Annals of Nutrition & Metabolism. 2008, V. 52 (suppl 1), 6–11.

Nicklas BJ, Brinkley TE. Exercise Training as a Treatment for Chronic Inflammation in the Elderly.Exercise and Sport Sciences Reviews. October 2009, Vol. 37, No 4, 165–170.

Brito WA, Mendes L,Magalhães MS,Neto JB, et al. Cognitive profile associated with functional and anthropometric aspects in elderly. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. 2016, Vol. 9, No 4, 154-159.

Ferreira AP, Ferreira CB, Souza VC, et al. Risco de distúrbio glicêmico em mulheres idosas ajustado por antropometria e genótipos de citocinas. Revista da Associação Médica Brasileira. 2011, Vol 57, No 5, 565-569.

Leite MJCIC. Métodos de avaliação da composição corporal. [Monografia] Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. 2004;155.

Delgado LA. Avaliação da aptidão física: projeto de elaboração de sistema de informação. Monografia (Licenciatura em Educação Física) - Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Maranhão. São Luis, 2004.

Shiratori AP, Iop RR, Borges Júnior NG, Domenech SC, Gevaerd MS. Evaluation protocols of hand grip strength in individuals with rheumatoid arthritis: a systematic review. Rev. Bras. Reumatol. 2014, Vol. 54, No 2,140-147.

Batista FB, Gomes GAO, Neri AL, et al. Relationship between lower-limb muscle strength and frailty among elderly people. São Paulo Med J. 2012, Vol. 130, No 2, 102-108.

Radloff LS. The CES-D Scale: A Self-Report Depression Scale for Research in the General Population. Applied Psychological Measurement. 1977, Vol. 1, No 3, 385-401.

Batistoni SST, Neri AL, Cupertino APFB. Validity of the Center for Epidemiological Studies Depression Scale among Brazilian elderly. Revista Saúde Pública. 2007, Vol. 41, No 4, 598-605.

Sampaio LR. Avaliação nutricional e envelhecimento. Revista de Nutrição. 2004, Vol 17, No 4, 507-514.

Ben-Noun L, Laor A. Relationship between changes in neck circumference and cardiovascular risk factors. Experimental & Clinical Cardiology. 2006, Vol. 11, No 1, 14-20.

Pitanga FJG. Antropometria na avaliação da obesidade abdominal e risco coronariano. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2011, Vol 13 No 3, 238-241.

Varela-Pinedo L, Ortiz-Saavedra PJ, Chávez-Jimeno H. Síndrome de Fragilidad en Adultos Mayores de la Comunidad de Lima Metropolitana. Revista de la Sociedad Peruana de Medicina Interna. 2008, Vol. 21, No 1, 11-15.

Fhon JRS, Diniz MA, Leonardo KC, et al. Síndrome de Fragilidade Relacionada à Incapacidade Funcional no Idoso. Acta Paulista de Enfermagem. 2012, Vol. 25, No 4, 589-594.

Rodrigues RAP, Scudeller PG, Pedrazzi EC, Schiavetto FV, Lange C. Morbidade e sua interferência na capacidade funcional de idosos. Acta Paulista de Enfermagem. 2008, Vol. 21, No 4, 643-648.

Nunes MCR, Ribeiro RCL, Rosado LEFPL, Franceschini SC. Influência da Características Sociodemográficas e Epidemiológicas na Capacidade Funcional de Idosos residentes em Ubá, Minas Gerais. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2009, Vol. 13, No 5, 376-382.

Fabrício-Wehbe SCC, Schiaveto FV, Vendrusculo TRP, et al. Adaptação Cultural e Validade da Edmonton Frail Scale – EFS em uma Amostra de Idosos Brasileiros. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2009, Vol. 17, No 6, 1043-1049.

Penninx BW, Kritchevsky SB, Newman AB, et al. Inflammatory markers and incident mobility limitation in the elderly. Journal of the American Geriatrics Society. 2004, Vol. 52, No 7, 1105–1113.

Ribeiro F, Gomes S, Teixeira F, Brochado G, Oliveira J.Impacto da prática regular de exercício físico no equilíbrio, mobilidade funcional e risco de queda em idosos institucionalizados. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2009, Vol. 9, No 1, 36-42.

Veras RP, Caldas CP, Coelho FD, Sanchez MA. Promovendo a Saúde e Prevenindo a Dependência: identificando indicadores de fragilidade em idosos independentes. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2007, Vol. 10, No 3, 355-370.

Borges CL, Silva MJ, Clares JWB, Bessa MEP, Freitas MC. Avaliação da Fragilidade de Idosos Institucionalizados. Acta Paulista de Enfermagem. 2013, Vol. 26, No 4, 318-322.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: