CONCEPÇÕES SOBRE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Jackcelly Machado, Claudinei Mesquita da Silva, Leyde Daiane de Peder

Resumo


RESUMO

Introdução: a automedicação é uma prática habitual realizada pela população e por alguns profissionais da saúde, como os de enfermagem, os quais possuem conhecimento e acesso facilitados aos medicamentos. Objetivos: determinar a prevalência de automedicação em profissionais de enfermagem, bem como, avaliar o perfil epidemiológico destes profissionais e os fatores associados à automedicação entre os mesmos. Métodos: estudo transversal, de caráter descritivo e quantitativo realizado por meio da aplicação de questionários pré-determinados para profissionais da enfermagem atuantes em estabelecimentos público e privado. Resultados: observou-se que 36% dos Técnicos de Enfermagem e 30% dos Enfermeiros utilizam a prática da automedicação, sendo que o analgésico foi a classe medicamentosa mais utilizada (58,72%) para combater sinais e sintomas decorrentes da carga de trabalho excessiva. 50% dos entrevistados atribuem a prática de automedicação à falta de tempo da ir a uma consulta. Conclusão:  a automedicação entre profissionais da enfermagem é bastante elevada devido à sua experiência profissional e a prática diária em estabelecimentos de saúde.

ABSTRACT

Introduction: self-medication is a common practice performed by the population and by some health professionals, such as nurses, who have easy knowledge and access to medicines. Objectives: to determine the prevalence of self-medication in nursing professionals, as well as to evaluate the epidemiological profile of these professionals and the factors associated with self-medication. Methods: cross-sectional, descriptive, and quantitative study carried out through the application of predetermined questionnaires for nursing professionals working in public and private sites. Results: it was observed that 36% of Nursing Technicians and 30% of Nurses do self-medication, and the analgesic was the most used medication class (58.72%) to combat signs and symptoms resulting from excessive workload. 50% of respondents attribute the practice of self-medication to the lack of time to go to a medical appointment. Conclusion: self-medication among nursing professionals is quite high due to their professional experience and daily practice in health facilities.

 

Figshare DOI: 10.6084/m9.figshare.12838025


Palavras-chave


Enfermeiros, Jornada de trabalho, Automedicação

Texto completo:

PDF

Referências


Organização Mundial da Saúde. The role of the pharmacist in self-care and self-medication [Internet]. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 1998. Acesso em 13/03/2020. Disponível em: http:// apps.who.int/medicinedocs/pdf/whozip32e/ whozip32e.pdf.

Gama ASM, Secoli SR. Automedicação em estudantes da enfermagem do estado do Amazonas-Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(1):e65111.

Furtado CF. A informação é o melhor remédio: riscos da automedicação – Universidade Federal do Paraná – Colombo-2013.

Schweim H, Ullmann M. Media influence on risk competence in self-medication and self-treatment. Ger Med Sci..13:1-14; 2015.

Matos FI, Pena DAC, Parreira MP, Santos CT, Vital CW. Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cad. Saúde Colet; 26(1): 76-83; 2018.

Galvan MT, Dal Pai D, Echevarria-Guanilo ME. Automedicação entre profissionais da saúde. Revista mineira de enfermagem. Rev Min Enferm. 20: e959; 2016.

Muniz PT, Maia LMA, Lima MP, Lopes CM, Miranda G. Adoecimento dos Enfermeiros da Rede Hospitalar do Rio Branco-ACRE-Brasil. Online Brazilian Journal of Nursing. 4(1): 32-41; 2005.

Barros ALR, Griep RH, Rotemberg L. Automedicação entre os trabalhadores de enfermagem de hospitais públicos. Rev Latino Am Enfermagem. 17(6); 2009.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Brasil. Panorama. Available from: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama. Acesso em 28 de novembro 2019.

Conselho Federal de Enfermagem COFEM. Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem 06/05/2015. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem_31258.html. Acessado em: 27 setembro 2019.

Carrilo C, Solano CM, Martinez EM, Gomes CJ. Influencia del género y edad: satisfacción laboral de profesionales sanitários Rev. Latino Am Enfermagem 21(6); 2013.

Tomasi E, Sant’Anna CG, Oppelt AM, Petrini RM, Pereira IV, Sassi BT. Condições de trabalho e automedicação em profissionais da rede básica de saúde da zona urbana de Pelotas, RS. Rev Brasil. Epidemiologia. 10 (1):66-74; 2007.

Santos SRB. Sentidos da automedicação para enfermeiras de hospital público de Niterói, Rio de Janeiro. 99F: 22ed -610-.73; 2011.

Pissara I, Gallardo E, Rosado T. Prevalência da automedicação em profissionais da saúde. Revista de ciências da saúde da ESSCVP. 2017: 9.

Baggio MA, Formaggio FM. Automedicação: Desvelando o descuidado de si dos profissionais de enfermagem – Rev. Enf. UERJ. 17(2):224-8; 2009..

Ribeiro LS, Oliveira CB, Spolidoro FV. Automedicação entre estudantes e profissionais da enfermagem. Revista enfermagem em evidência. 2(1): 15-27; 2018.

Barros ARR. Automedicação entre os trabalhadores de enfermagem de hospitais públicos no Rio de Janeiro – Universidade do Rio de Janeiro, 2008.

Oliveira AFC. Estratégia de comunicação sobre automedicação em trabalhadores da enfermagem em terapia intensiva oncológica. Universidade federal Fluminense. 2013


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde - RBPeCS - ISSN: 2446-5577


Indexadores: