Odontologia Hospitalar: Unidades de Internação, Centro Cirúrgico e Unidade de Terapia Intensiva

Alexandre Franco Miranda

Resumo


A falta de políticas efetivas em relação à manutenção da saúde bucal nos hospitais contribui para o aumento das doenças sistêmicas e danos à saúde do paciente. O dentista desempenha um papel fundamental no diagnóstico, planejamento e realização de abordagens clínicas interdisciplinares focadas na qualidade de vida desses pacientes. O presente estudo tem como objetivo discutir o contexto da odontologia hospitalar, enfatizando a regulação desta prática e seu campo de ação, a relação saúde-saúde sistêmica, os procedimentos clínicos preventivos, as dificuldades clínicas e as diretrizes breves, por meio de uma revisão da literatura. Os artigos científicos foram pesquisados e analisados, bem como as bases de dados bibliográficas ligadas às práticas odontológicas hospitalares. Os critérios de inclusão foram: artigos publicados em português e inglês indexados em bases de dados LiLACS, SciELO e PubMed entre 2007 e 2015, a legislação sobre o tema e a experiência clínica. A pesquisa reuniu 35 referências. Concluiu-se que o treinamento de toda a equipe do hospital e do cirurgião-dentista sobre como promover a saúde bucal é exigente, bem como conhecer o reflexo desses problemas orais sobre a saúde sistêmica dos pacientes e implementar protocolos específicos sobre o tema aqui descrito em todos os hospitais.


Palavras-chave


Unidade Hospitalar de Odontologia; Unidades de Terapia Intensiva; Saúde bucal; Qualidade de vida 

Texto completo:

Odontologia Hospitalar

Referências


Aguiar ASW, Guimarães MV, Morais RMP, Saraiva JLA. Atenção em saúde bucal em nível hospitalar: relato de experiência de integração ensino/serviço em odontologia. Rev Eletr de Extensão, 2010; 7(9): 100-110..

Godoi APT, Francesco AR, Duarte A, Kemp APT, Silva-Lovato CH. Hospital odontology in Brazil. A general vision. Rev Odontol UNESP, 2010; 38(2): 105-109.

Aranega AM, Bassi APF, Ponzoni D, Wayama MT, Esteves JC, Garcia Júnior IR. Qual a importância da odontologia hospitalar ?. Rev Bras Odontol , 2012;69(1): 90-93.

Carcereri DL, Amante CJ, Reibnitz MT, Mattevi GS, Da Silva GG, Padilha ACL, Rath IBS. Formação em odontologia e interdisciplinariedade. Rev ABENO, 2011; 11(1): 62-70.

Mattevi GS, Figueiredo DR, Patrício ZM, Rath IBS. A participação do cirurgião-dentista em equipe de saúde multidisciplinar na atenção à saúde da criança no contexto hospitalar. Cien Saude Colet, 2011; 16(10): 4229-4236.

Saintrain MVL. Proposta de um indicador comunitário de saúde bucal. Rev Bras Prom Saúde, 2007; 3(20): 199-204.

Brasil. Conselho Federal de Odontologia – CFO. Código de Ética Odontológica. Aprovada pela Resolução do CFO – 118 / 2012. Página 10.

Brasil. Conselho Federal de Odontologia – CFO. Habilitação em Odontologia Hospitalar. Aprovada pela Resolução do CFO – 162 / 2015.

Porto AN, Segundo AS, Borges AH, Semenoff TADV, Miranda FP. Hospital Dentistry: a proposal of new discipline. RSBO, 2010; 9(1):119-122.

Gaetti-Jardim E, Setti JS, Cheade MFM, De Mendonça JCG. Atenção odontológica a pacientes hospitalizados: revisão da literatura e proposta de protocolo de higiene oral. Rev Bras Ciências da Saúde, 2013; 11(35): 31-36.

Gomes SF, Esteves MCL. Atuação do cirurgião-dentista na UTI: um novo paradigma. Rev Bras Odontol, 2012; 69(1): 67-70.

Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia. Resolução CFO-118/2012. Atualizado em 01/01/2013. Disponível em: http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2009/10/consolidacao.pdf

Drinka P. Preventing aspiration in the nursing home: the role of biofilm and data from the ICU. J Am Med Dir Assoc, 2010; 11(1): 70-77.

Schneid JL, Berzoini LP, Flores O, Cordon GAP. Práticas de enfermagem na promoção de saúde bucal no hospital do município de Dianópolis-TO. Comunicação Ciências da Saúde, 2007; 18(2): 297-306.

Pobo A, Lisboa T, Rodriguez A, Sole R, Magret M, Trefler S, Gómez F. A randomized trial of dental brushing for preventive ventilator-associated pneumonia. Chest, 2009; 136(1): 433-439.

Lockhart PB, Brennan MT, Thornhill M, Michalowicz BS, Noll J, Bahrani-Mougeot FK, Sasser HC. Poor oral hygiene as a risk factor for infective endocarditis–related bacteremia. J Am Dent Assoc, 2009;140(10):1238-1244.

Lima DC, Saliba NA, Fernandes LA, Garbin CAS. A importância da saúde bucal na ótica de pacientes hospitalizados. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16(Supl.1): 1173-1180.

Barnes CM. Dental hygiene intervention to prevent nosocomial pneumonias. J Evid Based Dent Pract, 2014; 14 (Suppl 1):103-114.

Ames NJ, Sulima P, Yates JM, McCullagh L, Gollins SL, Soeken K, Wallen GR. Effects of systematic oral care in critically ill patients: a multicenter study. Am J Crit Care, 2011; 20 (5): e103-e114.

Amaral SM, Cortês AQ, Pires FR. Pneumonia nosocomial: importância do microambiente oral. J Bras Pneumol, 2009; 35(11):1116-1124.

Barbosa JCS, Lobato OS, Menezes SAF, Menezes TOA, Pinheiro HHC. Patients profile under intensive care with nosocomial pneumonia: key etiological agents. Rev Odontol UNESP, 2010; 39(4): 201-206.

Bellissimo Rodrigues-WT, Menegueti MG, Gaspar GG, Nicolini EA, Auxiliadora Martins-M, Basile-Filho A, Martinez R, Bellissimo Rodrigues-F. Effectiveness of a dental care intervention in the prevention of lower respiratory tract nosocomial infections among intensive care patients: a randomized clinical trial. Infect Control Hosp Epidemiol, 2014; 35(11): 1342-1348.

Kahn S, Garcia CH, Júnior JG, Namen FM, Machado WAS, Júnior JAS, Sardenberg SEM, Egreja AM. Avaliação da existência de controle de infecção oral nos pacientes internados em hospitais do estado do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 2008; 13(6):1825-1831.

Miranda AF, De Araújo IA, De Araújo HBN, De Araújo EC, Bezerra ACB. Oral health promotion in Intensive Care Unit patients: management and adaptations. Glo Adv Res J Med Med Sci, 2015; 4(11):509-513.

Richey R, Wray D, Stokes T. Prophylaxis against infective endocarditis: summary of NICE guidance. BMJ, 2008; 336(7647): 770-771.

El-Rabbany M, Zaghol N, Bhandari M, Azarpazhooh A. Prophylactic oral health procedures to prevent hospital-acquired and ventilator-associated pneumonia: a systematic review. In J Nurs Stud, 2015;52(1): 452-464.

Santos PSS, Mello WR, Wakim RCS, Paschoal MAG. Uso de solução bucal com sistema enzimático em pacientes totalmente dependentes de cuidados em unidade de terapia intensiva. RBTI, 2008; 20(2): 154-159.

Liao YM, Tsai JR, Chou FH. The effectiveness of an oral health care program for preventing ventilator-associated pneumonia. Nurs Crit Care, 2015; 20(2): 89-97.

Kiyoshi-Teo H, Blegen M. Influence of institutional guidelines on oral hygiene practices in intensive care units. Am J Crit Care, 2015; 24(4): 309-318.

Cavezzi Júnior O. Endocardite infecciosa e profilaxia antibiótica: um assunto que permanece controverso para a odontologia. RSBO, 2010; 7(3): 372-376.

Duval X, Delahaye F, Alla F, Tattevin P, Obadia J-F, Le Moing V, et al. Temporal trends in infective endocarditis in the contexto of phrophylaxis guideline modifications. J Am Coll Cardiol, 2012; 59(22): 1968-1976.

Araújo RJG, Oliveira RCG, Hanna LMO, Corrêa AM, Carvalho LHV, Alvares NCF. Análise de percepções e ações de cuidados bucais realizados por equipes de enfermagem em unidades de tratamento intensivo. RBTI, 2009; 1(21): 38-44.

Marques IR, Souza AR. Tecnologia e humanização em ambientes intensivos. Rev Bras Enferm, 2010; 63 (1): 141-144.

Fertonani HP, de Pires DE, Biff D, Scherer MD. The health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Cien Saude Colet, 2015; 20(6): 1869-1878.

Oliva A, Miranda AF. Cuidados paliativos e odontogeriatria: breves considerações. Rev Portal de Divulgação, 2015; 44(5): 63-69.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


visitas