Odontologia Domiciliar como Parte Integrante da Assistência em Saúde de Idosos Frágeis

Alexandre Franco Miranda, Jennifer dos Santos Rodrigues, Eric Jacomino Franco

Resumo


O atendimento odontológico domiciliar é uma assistência em saúde eficiente principalmente para os idosos semi e dependentes, considerados frágeis, que possuem dificuldades físicas, neurológicas e/ou sistêmicas para serem atendidos de forma convencional no consultório odontológico. Esse específico tipo de atuação profissional, surge como uma desconstrução de padrões de formação do cirurgião-dentista e avanço às políticas de saúde pública, em relação à privada. É uma prática de caráter interdisciplinar, que busca investigar o idoso de maneira integral, além da cavidade bucal. As atividades clínicas visam a prevenção, promoção, proteção e recuperação do idoso fragilizado estabelecendo um conforto psicológico, bem-estar e qualidade de vida, baseados na humanização e possível estabelecimento funcional. O presente trabalho tem como objetivo, por meio de uma revisão de literatura, abordar o contexto da odontologia domiciliar, enfocando a necessidade da participação de cirurgiões-dentistas capacitados nesse tipo de atendimento, condutas interdisciplinares da equipe de saúde e a orientação aos familiares e cuidadores que estão inseridos nesse contexto sobre medidas de promoção de saúde bucal. Foi realizada uma busca bibliográfica nas bases de dados da Scielo, Pubmed, Lilacs, Google Acadêmico, no período de 2000 a 2017, utilizando as palavras-chave: odontogeriatria, idoso fragilizado, equipe de saúde e assistência domiciliar e, leis existentes sobre o assunto, totalizando 25 artigos.  Concluiu-se que o atendimento domiciliar ao idoso frágil necessita de um maior número de profissionais capacitados e cirurgiões-dentistas nas áreas da gerontologia e odontogeriatria, com o intuito de expandir essa estratégia de ação clínica e assistência diferenciada em saúde, aumentando o conforto, acesso a serviços capacitados e qualidade de vida para esse específico grupo populacional.


Palavras-chave


Odontogeriatria; Saúde bucal; Qualidade de vida; Equipe de saúde; Assistência domiciliar.

Texto completo:

Odontologia domiciliar

Referências


Rocha DA, Miranda AF. Atendimento odontológico domiciliar aos idosos: uma necessidade na prática multidisciplinar em saúde: revisão de literatura. Rev Bras Geriatr Gerontol, 2013; 16(1): 181-189.

Bizerril DO Et. Al. Papel do cirurgião-dentista nas visitas domiciliares: atenção em saúde bucal. Rev Bras Med Fam Comunidade, 2015; 10(37): 1-8.

Júnior RASF, Lourenço RA, Fischer RG. A doença periodontal e o idoso frágil. Revista HUPE, 2013, 12(1): 92-100.

Silveira Neto N, Luft LR, Trentin MS, Silva SO. Condições de saúde bucal do idoso: revisão de literatura. Rev Bras de Ciên do Envelh Hum, 2007; 4(1): 48-56.

Rosa LB, Zuccolotto MC, Batagion C, Coronatto E. Odontogeriatria - a saúde bucal na terceira idade. RFO, 2008; 13(2): 82-6.

Shinkai RSA, Del Bel Cury AA. O Papel da Odontologia na equipe interdisciplinar: contribuindo para a atenção integral ao idoso. Cad Saúde Pública, 2000 ;16(4): 1099-109.

Brasil. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde. 2006, p.17.

Marques GC Et. Al. Odontologia domiciliar ao idoso frágil: a importância da Odontogeriatria. Rev Portal da Divulgação, 2014; 42(5): 6-14.

Brasil. Estatuto do idoso. Brasília: Ministério da Saúde. 2005; 72p.

Brasil. Política Nacional do Idoso. Brasília: Ministério da Saúde. 1994. 102p.

Brasil. Estudos e pesquisas. Síntese de indicadores sociais: uma analise das condições de vida da população brasileira. IBGE, Rio de Janeiro, 2016.

Brunetti RF, Montenegro FL. Odontogeriatria: prepare-se para o novo milênio. Atualização na Clínica Odontológica de Feller, 2000; 469-487.

Silva, EMM Et. Al. Mudanças fisiológicas e Psicológicas na Velhice Relevantes no tratamento odontológico. Rev Ciênc Ext, 2005; 2(1): 1.

Miranda AF, Miranda MPAF, Lia EM, Leal SC. Doença de Alzheimer: características e orientações em odontologia. RGO, 2010; 58(1): 1-9.

Bonfá K et al. Percepção de cuidadores de idosos sobre saúde bucal na atenção domiciliar. Rev Bras Geriatr Gerontol, 2017; 20(5): 651-660.

Montenegro FLB, Marchini L. Saúde Bucal: Informações à equipe de Saúde e Cuidadores. Revista Portal de Divulgação, 2017; 51: 49-63.

Silva A, Dal Prá KR. Envelhecimento populacional no Brasil: o lugar das famílias na proteção aos idosos. Argumentum, 2014; 6(1): 99-115.

Miranda AF. A necessidade de ações preventivas e de promoção de saúde bucal no paciente idoso dependente no ambiente domiciliar. Rev Home Care Brasil, 2008; 2(21): 10-13.

Revista Brasileira de Atenção Domiciliar. Congresso Brasileiro Interdisciplinar de Assistência Domiciliar. Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar – NADI. Holambra: Editora Setembro, SP, n. III (2017).

Miranda AF, Montenegro FLB. O cirurgião-dentista como parte integrante de uma equipe multidisciplinar no atendimento ao idoso. Rev Paul Odontol, 2009; 31(3): 15-19.

Brasil. Núcleo Regional de Atenção Domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde. 2011, p.12.

Mesas AE, Trelha CS, Azevedo MJ. Saúde bucal de idosos restritos ao domicílio: estudo descritivo de uma demanda interdisciplinar. Physis, 2008; 18(1): 61-75.

Tavolari CEL, Fernandes F, Medina P. O desenvolvimento do home health care no Brasil. Rev ADM em Saúde, 2000, 9(3): 15-8.

Floriani CA, Schramm FR. Atendimento domiciliar ao idoso: problema ou solução? Cad Saúde Pública, 2004; 20(4): 986-94.

Tedeschi-Oliveira SV, Melani RFH. Atendimento odontológico domiciliar: considerações éticas. Rev Uningá, 2007; 14: 117-28.

Paskulin LMG, Dias VRFG. Como é ser cuidado em casa: a percepção dos clientes. Rev Bras Enferm, 2002; 55(2): 140-145.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


visitas