A PREVENÇÃO COMO ESTRATÉGIA NOS AMBIENTES DE TRABALHO

Flavio Maldonado Bentes, Emerson Moraes Teixeira, Adriana Cristina Guise Marques

Resumo


Os ambientes corporativos estão em constantes mudanças e diante desta dinâmica as empresas estão cada vez mais preocupadas com as questões de competitividade e aumento da produção para atender um mercado cada vez mais globalizado. Em razão da rapidez que os meios tecnológicos atuais têm proporcionado ao processo produtivo muito se têm evoluído em termos de variedade de produtos e serviços oferecidos, nos mais diversos segmentos. Uma visão estratégica é importante em qualquer organização, entretanto, pouco se fala sobre a importância da prevenção nesse contexto. Este trabalho traz contribuições e apresenta a prevenção como estratégia para a produção.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho. Vantagens para as empresas de uma boa segurança e saúde no trabalho. FACTS 77-PT. ISSN 1681-2166. TE-AE-07-077-PT-C. 2008.

BATEMAN, T.S.; SNELL, S.A. Administração: construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, 1998. 539p.

CARLOTTO, Mary; CÂMARA, Sheila Gonçalves. Propriedades psicométricas do questionário de satisfação no trabalho (S20/23). Psico-USF, v.13, n. 2, p. 203-210, jul./dez. 2008.

CODA, Roberto. Satisfação no trabalho e característica das políticas de recursos humanos para executivos. Tese de Doutorado. São Paulo, 1986.

DEJOURS, C. A carga psíquica do trabalho. In: DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

DONAIRE, D. Gestão ambiental nas empresas. 2.ed. São Paulo: Atlas. 1999

DRUCKER, P. The theory of business. Harvard Business Review, p.95-104, sep./oct., 1994.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau-humor: atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. Revista Estudos de Psicologia, v.6, n.1, p. 93-104, jan./abr. 2001.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Trabalho e riscos de adoecimento: o caso dos auditores-fiscais da previdência social brasileira. Brasília: Ler, Pensar e Agir. 2003.

FIGUEIREDO, J.M. Estudo sobre a satisfação no trabalho dos profissionais de informação de uma IFES. 2012. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão) Faculdade de Engenharia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

FRANZ, L. Estudo comparativo dos custos de prevenção e dos custos dos acidentes de trabalho na construção civil. Monografia submetida ao Departamento de Ciências Contábeis do Centro Socioeconômico da universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), como requisito parcial para a obtenção do grau de bacharel em ciências contábeis. Florianópolis, Santa Catarina, 2006.

FREITAS, L. G. Saúde e processo de adoecimento no trabalho dos professores em ambiente virtual. Brasília: Instituto de Psicologia Social e do Trabalho da Universidade de Brasília, 2006.

HSE - HEALTH & SAFETY EXECUTIVE. Human factors in industrial safety: an examination of the roles of organizations, jobs and individuals in industrial safety and practical guide to control. 3.ed. Sheffield: HMSO Publications Center, 1991.Jacinto, C. (2011). Análise de Acidentes de Trabalho. Método de Investigação WAIT (Work Accidents Investigation Tecnique). 4ªEdição, VerlagDashofer.

IIDA, Itiro. Ergonomia – Projeto e produção. 2ª ed. São Paulo. Edgard Blücher, 2005.

LAFRAIA, João R. B. Liderança para SMS: Compreendendo a Influência da Mente na Percepção do Risco. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2011.

OIT - Organização Internacional do Trabalho. A sua saúde e segurança no trabaho: uma coleção de módulos. Introdução à Saúde e Segurança no Trabalho. ISBN: 978-972-704-357-6 (coleção). Bureau para as Atividades dos trabalhadores Bureau Internacional do Trabalho, Genebra, 1996.

MARTINS, Marcele S.; MACULAN, Laércio S.; PANDOLFO, Adalberto; REINHER, Renata; ROJAS, José W. J.; PANDOLFO, Luciana M.; KUREK, Juliana. Segurança do trabalho: Estudos de casos nas áreas agrícola, ambiental, construção civil, elétrica, saúde. Porto Alegre. SGE, p.3, 2010.

MENDES, A. M. Inventário de Prazer-Sofrimento no trabalho: validação do instrumento. Resumos de comunicações científicas. XXVI Congresso Interamericano de Psicologia. São Paulo, 1997.

MENDES, A. M.; SIQUEIRA, M. V. S. Gestão de pessoas no setor público e a reprodução do discurso do setor privado. Revista do Serviço Público, 60 (3), 241-249, 2009.

PORTER, M. E. Competitive strategy. New York: The Free Press. 1980.

SIQUEIRA, M. M. M. et al. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

STEFANO, C. Segurança na construção civil: trabalho de educação, conscientização e medidas de proteção. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo, 2008

ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 11.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2005

VILELA, R. A. G. et al. Da vigilância para prevenção de acidentes de trabalho: contribuição da ergonomia da atividade. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10):2817-2830, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.