ANÁLISE DE TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

Meysi BAPTISTA, Rafael Vieira de CARVALHO, Pedro Henrique Pires da Rocha Machado FAGUNDES, Marcelo de Jesus Rodrigues da NÓBREGA

Resumo


A constante degradação do meio ambiente frente o mundo moderno e globalizado faz com que medidas de remediação sejam buscadas pelos governantes como forma de combater um futuro incerto para as gerações futuras. O crescimento desordenado das cidades a partir do século XX e o consequente aumento da geração de resíduos pela população acarreta uma preocupação em relação a sua forma de descarte. O presente estudo trata-se de uma pesquisa bibliográfica que visa aduzir soluções ambientais e econômicas por meio do aproveitamento de resíduos sólidos urbanos, responsáveis por uma parcela significativa dos danos causados ao meio ambiente. Estes resíduos, quando tratados de maneira correta, contribuem não apenas para a geração de energia renovável, como também no seu reaproveitamento em produtos que possam agregar valor em outros segmentos. Dessa forma, a importância das tecnologias de tratamento de resíduos sólidos urbanos se mostra essencial para o desenvolvimento social e econômico do país. Além disso, será apresentado um estudo de caso sobre o gerenciamento de resíduos sólidos urbanos no Brasil, comparando sua geração com um indicador econômico e analisando suas formas de disposição final, evidenciando dificuldades para implantação efetiva da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT NBR 10004:2004. Resíduos Sólidos – Classificação. 2004;

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, 2017;

Banco Central do Brasil, 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 de julho de 2019.

BNDES. Análise das Diversas Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão, 2014;

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2019;

BRUNTLAND, Comissão. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: o nosso futuro comum, 2ª edição. Fundação Getúlio Vargas, 1991;

CESARO, A.; BELGIORNO, V.; NADDEO, V. A comparative technology assessment of the anaerobic digestion of an organic fraction of municipal solid waste. Biomass to Biofuels, S. Syngellakis (ed). WIT Press, Southampton. 2015;

COLVERO, D. A., ALMEIDA, M. G., GOMES, A. P., PFEIFFER, S. C. Aterro Sanitário de Goiânia: Uma Identidade Territorial e a Vulnerabilidade e Exclusão Social da População do seu Entorno. Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal, v. 14, n. 2, p. 03-20, jul./dez. 2017;

GUEDES, G.G., FERNANDES, M. Gestão ambiental de resíduos sólidos da construção civil no Distrito Federal. Universitas Gestão e TI, v. 3, n. 1, p. 39-50, jan./jun. 2013;

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produto Interno Bruto – PIB. 2010 Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php. Acesso em: 01 de julho de 2019.

IPCC, Intergovernmental Panel on Climate Change. Global Warming of 1.5°C – Summary for Policymakers. Documento Oficial. 34pp, 2018;

JUCÁ, F. F. T. Disposição Final dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil. 5º Congresso Brasileiro de Geotecnia Ambiental, 2003;

LAVNITCK, L., BAUM, C. A., BECEGATO, V. A. Política Nacional dos Resíduos Sólidos: Abordagem da Problemática no Brasil e a Situação na Região Sul. Revista Ambiente & Educação Vol. 23, n. 3, 2018;

MASSANEWS, 2017. Disponível em: https://massanews.com/noticias/plantao/aterro-sanitario-lixo-vira-energia-e-gera-economia-de-r-28-mil-rYVWe.html. Acesso em: 24 setembro 2018

Ministério do Meio Ambiente, 2019. Disponível em: . Acesso em: 25 de março de 2019.

PRATES, L. F. S.; PIMENTA, C. F.; RIBEIRO, H. F. Alternativas tecnológicas para tratamento de resíduos sólidos urbanos. APPREHENDERE – Aprendizagem & Interdisciplinaridade, V (1), n. 2 (Edição Especial), 2019;

SANTOS, A. T. L, HENRIQUE, N, S, SHHLINDWEIN, J. A., FERREIRA, E., STACHIW, R. Aproveitamento da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos para produção de composto orgânico. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia, v. 3, n. 1, p. 15-28, 2014;

SEIBERT, A. L. A importância da gestão de resíduos sólidos urbanos e a conscientização sobre a sustentabilidade para a população em geral. 2014. 44p - Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR – Campus Medianeira, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.