MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR – DIAGNÓSTICO DAS TECNOLOGIAS E DA REDE DE MONITORAMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

Luciana Souza TEIXEIRA, Samir Borges BRESSANE, Marcelo de Jesus Rodrigues da NÓBREGA

Resumo


Atualmente, a poluição do ar se destaca como uma das questões ambientais mais complexas, sendo indicada como responsável pela morte de milhões de pessoas no mundo ao longo dos últimos anos. Dessa forma o monitoramento da qualidade do ar constitui uma das principais ferramentas para se produzir políticas públicas de controle da poluição, de forma a manter níveis seguros de poluentes na atmosfera.  No Brasil, a Resolução CONAMA nº 491 de 2018, estabelece quais devem ser as normas para a qualidade do ar e a responsabilidade dos Estados pelo monitoramento do ar em seus respectivos territórios. Dada a complexidade e a deficiência na rede de monitoramento e na compilação dos dados obtidos com o atual sistema de monitoramento, é importante que analisemos novas ferramentas e tecnologias que aplicadas em maior escala reduzam os custos, deem confiança na obtenção dos dados e facilitem o acesso das informações pela população e pelo meio acadêmico. Esse artigo visa abordar as tecnologias adotadas no Brasil para monitoramento de ar e realizar um estudo de caso utilizando os dados disponíveis sobre a rede de monitoramento da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, assim como as oportunidades de melhorias baseadas em políticas públicas adotadas em outros estados da federação e de outros países, tomando por referência o último relatório das redes de monitoramento da European Environment Agency (EEA) - União Europeia.

Texto completo:

PDF

Referências


A&WMA – AIR & WASTE MANAGEMENT ASSOCIATION. Fact Sheet: Air Polution Emisson Control Devices for Stationary Sources. 2007

BRAGA, A; BOHM, G. M.; PEREIRA, L.A.A.; SALDIVA, P. Poluição atmosférica e saúde humana. Revista USP, São Paulo, n.5, p.58-71, set./nov. 2001.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. (2018). RESOLUÇÃO CONAMA nº 491, de 19 de novembro de 2018.

EUROPEAN ENVIRONMENT AGENCY (EEA) - Air quality in Europe- EEA Report No 12/2018. Disponível em:

LISBOA, Henrique M.; SCHIRMER, Waldir N. Metodologia de controle da poluição atmosférica. Montreal. Acessado em, v. 12, n. 01, p. 2012, 2007.

MAYOR OF LONDON — GUIDE FOR MONITORING AIR QUALITY IN LONDON- Greater London Authority January, 2018.

HEALTH EFFECTS INSTITUTE. State of Global Air 2018. Special Report. Boston, MA:Health Effects Institute, 2018.

IEMA- Instituto de Energia e Meio Ambiente - Diagnóstico da rede de monitoramento da qualidade do ar no Brasil. Abril, 2014. Disponível em:

INEA. Relatório Anual da Qualidade do Ar do estado do Rio de Janeiro, anos base 2006 a 2015. Rio de Janeiro, 2016.

JUNIOR, O; LACAVA, C.; FERNANDES, P. Emissões Atmosféricas. Ed pelo Senai. Brasília, 2002.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Ambient air pollution: a global assessment of exposure and burden of disease. Geneva, 2016.

SCHNELLE, K.B.; BROWN, A.C. Air pollution control technology handbook. The Mechanical Engineering Handbook Series. CRC Press, Boca Raton, USA, 2002.

VALLERO, D. A. Fundamentals of air pollution — 4th ed. USA. 2007


Apontamentos

  • Não há apontamentos.